domingo, 14 de fevereiro de 2010

A Lágrima do diabo


Para bom entendedor, meia palavra basta. E para bom detetive forense, um bilhete pode dizer muito sobre quem o escreveu. Em 'A Lágrima do Diabo' o consagrado romancista norteamericano Jeffery Deaver volta a usar o universo das técnicas de investigação criminal como enredo. Depois do policial tetraplégico de 'O colecionador de ossos '— sucesso absoluto de crítica e vendas —, Deaver dá vida a Parker Kinkaid, um ex-agente, perito em documentos, numa trama repleta de criminosos perversos, mulheres sensuais, detetives durões e psicopatas perigosos.

O livro é mais um título da Coleção negra, dedicada aos maiores mestres da literatura policial. 'A Lágrima do Diabo' conta a história do massacre de uma pequena multidão de inocentes numa estação de metrô em Washington, na tranquila manhã de 31 de dezembro do ano 2000. Quando a cidade está se preparando para as comemorações da virada do milênio, um assassino misterioso dispara contra os passageiros do metrô e desaparece. Um gênio do mal, um psicopata perigoso capaz de continuar com as chacinas a cada quatro horas se suas exigências não forem atendidas — 20 milhões de dólares, é o que diz o bilhete recebido pelo prefeito. O bilhete é a única pista do FBI, que recorre a Parker Kincaid para descobrir o máximo de dados possíveis sobre o assassino, autointitulado O coveiro.

Kinkaid, especialista em documentos antigos, era um promissor agente do FBI que trocou a carreira no bureau por uma vida de consultor free-lancer para colecionadores e pela companhia diária dos seus dois filhos. Ele reluta, mas acaba tomando a frente das investigações que procuram antecipar os passos do criminoso, para evitar que ele mate mais gente.

O romance segue as elocubrações de Kincaid à procura do assassino, num enredo repleto de ramificações: interesses políticos e jornalistas corruptos. A investigação vai ligando as primeiras pistas bem devagar. Mas, à medida que o prazo vai se esgotando, o ritmo da trama se acelera, culminando em um final absolutamente empolgante e surpreendente.

Jeffery Deaver é autor de mais de quinze romances policiais e de suspense que lhe valeram diversas indicações para o prestigiado Edgar Allan Poe Award. Atualmente vive entre Virgínia e Nova York.

“Deaver é o melhor autor de thrillers psicológicos em atividade.” — The Times

“Deaver é um grande contador de histórias e conduz o leitor para um turbilhão de suspense, violência e mistério.” —
The Sunday Telegraph

“Um empolgante quebra-cabeças intelectual com muita tensão e reviravoltas que tiram o fôlego do leitor.” —
The New York Times Book Review

3 comentários:

  1. Li e aprovo!! Esse livro é realmente muito bom!!
    Quando é que teremos mais Deaver na Coleção Negra, heim?? =)

    ResponderExcluir
  2. Olá thiago! Esse mês a Record publica 'Lua Fria', de Jeffery Deaver'. Em breve faremos um post sobre o lançamento. Obrigado, abraços.

    ResponderExcluir
  3. Gosto muito desse livro; belo roteiro!

    ResponderExcluir